Como eu passei em Medicina no ENEM

Tempo de leitura: 7 minutos

Estava lendo um ótimo livro sobre o ENEM de um jovem sergipano, o Victor Teles, “Como vencer aos 14 anos”.

Ele foi aprovado com apenas com 14 anos no exame e ingressou na faculdade federal de medicina do Sergipe.

Talvez você já tenha ouvido falar dele, pois foi a pessoa mais jovem do Brasil até hoje a ser aprovado no vestibular no medicina.

É bastante interessante a sua história, com várias dicas e sugestões de como se preparar para o exame. Sugiro fortemente que você caso esteja se preparando para o ENEM!

Lendo o livro dele, também me fez lembrar da minha própria experiência que tive quando prestei o ENEM em 2011.

Comecei a refletir sobre quais teriam sido talvez os pontos chaves que me levaram a ter sucesso no ENEM, e me veio em mente alguns pontos que gostaria de compartilhar com você!

1 – O ENEM é uma prova de interpretação e resistência, não exatamente de complexidade.

Como em 2011, além do ENEM, prestei vestibular para várias outras faculdades  públicas no estado de SP. Fiquei comparando a diferença entre ele os outros vestibulares.

O que mais me chama atenção é que, na verdade, o ENEM se for analisar somente as questões por si só, dificilmente elas apresentam um alto grau de complexidade

Em outras palavras, por exemplo, em um exercício de matemática, você não precisa ter um alto nível de conhecimentos em matemática para conseguir resolver a questão.

Muitas delas, você com apenas regras de 3, contas de multiplicar, divisão, porcentagem, proporção, etc, seriam conceitos mais do que suficientes para resolver praticamente todas as questões da prova.

O grande lance do ENEM, e que ai sim torna a prova mais difícil e trabalhosa de se resolver, é uma grande demanda por interpretação de texto!

Até você conseguir realmente entender o que é o problema, qual a pergunta que ele está fazendo, e que tipo de resposta ele está esperando, já se passaram só ai vários minutos.

É diferente de uma prova da Fuvest ou do vestibular da Unicamp (e outros vestibulares de maneira geral), por exemplo, que a interpretação em si do problema é rápida, já que é enunciado é geralmente curto. 

Agora o nível de habilidade e conhecimento que você precisa ter sobre aquele assunto é muito maior.

Diversas vezes, você não sabe nem como iniciar a questão, ou leva um tempo até conseguir e, algumas vezes, a única maneira de conseguir acertar, é somente tendo feito ou visto já um exercício similar antes.

Portanto, o enfoque dado nos vestibulares em geral muda um pouco quando comparado ao ENEM.

Não estou dizendo, que o ENEM seja mais fácil ou menos fácil que os outros, apenas que a maneira de cobrar os conteúdos é que muda.

O ENEM acaba sim, sendo tanto difícil ou até mais difícil, que os vestibulares convencionais justamente por demandar uma grande capacidade de leitura (só de olhar o tamanho dos enunciados assusta, não é!? ) e interpretativa.

Aliado a isso o escasso tempo de 4h30 de prova (e 5h30 no segundo dia) de prova para resolver as 90 questões. Ai que está a maior dificuldade desse exame.

Ainda mais considerando que você em média apenas 3min para resolver cada questão…

2 – Ter leitura fluída, rápida e dinâmica é chave.

O que com certeza vai te colocar lá na frente no ENEM se comparado com os outros vestibulandos, é se você estiver acostumado a ler bastante, com fluidez, e com rápido entendimento do que estiver lendo.

Por isso que sempre recomendo e oriento meus estudantes com os quais realizo meus processos de Coaching, de sempre estarem exercitando leitura…

Oriento também a lerem toda a lista de livros de literatura do vestibular (se esse for o seu caso), como também, jornais, revistas, etc.

Pegar de verdade gosto pela leitura, tornar ela fluída, te coloca muito lá na frente. Geralmente quem lê bastante, também consegue ter uma habilidade de interpretação também mais rápida e apurada que a maioria.

Só de ter isso já é mais de metade do caminho andado, já que a questão por si só, como mencionei antes, não é difícil.

Então uma vez que você leia e interprete realmente o que é o problema, a resolução em si é muito mais simples.

3 – Pratique, pratique e pratique Redação! 

Consultando minhas notas do ENEM que tive em 2011, percebo que a redação teve um papel fundamental para a minha aprovação. Não fui muito bem em Linguagens e nem em Humanas, fiquei até abaixo de 700 nessas duas.

Agora redação, foi o que realmente me levou à aprovação, consegui ficar com 960. E isso me garantiu a aprovação em duas faculdades do Rio grande do Sul, a UFCSPA e a Ufpel.

Agora, você que já me acompanha há algum tempo, sabe que nem sempre foi assim e o drama que tive com redação! haha

No início do ano de preparação, lembro que tinha redações que chegava até a tirar 0, outras 4, 3… Ou seja não conseguia nem tirar a média 5.

Lembro que estava bem chateado e desanimado com isso. Na verdade, não sabia exatamente o que estava fazendo errado e por que afinal não estava melhorando a minha nota.

Estava fazendo até 2 redações por semana, e mesmo assim a nota não melhorava.

Além disso, estava demorando muito tempo em cada redação, mais de 2h.

Fiquei uns 3 meses assim, até que aquilo me incomodou tanto (fiquei realmente com raiva e indignado! hehe) que fui procurar ajuda nos monitores, as pessoas que corrigiam as redações.

Fui nessas monitorias pelo menos umas 8x, onde cada vez que ia, eles me abriam os olhos em relação a um detalhe da redação, davam um feedback novo

Até que minhas redações foram ficando cada vez melhores.

Aliado a isso, para melhorar minha fluidez e vocabulário, adotei como hábito ler o jornal todos os dias, ou quando estava no cursinho mesmo, ou quando chegava em casa.

Lia pelo menos 30 min de jornal todos os dias. Algumas vezes, lia revistas também como Carta Capital e, de vez em quando, Le Monde Diplomatique.

Ai sim, a partir de todo esse esforço e dedicação, finalmente minhas notas de redação começaram a melhorar de Julho em diante. Ai sim comecei a sentir que estava no caminho certo…

Na verdade, eu fiquei tão obcecado por redação, não pelo ENEM propriamente…

Mas sim porque naquela época na Unicamp a redação era eliminatória!

Fazia parte da primeira fase e, acredite ou não, a gente tinha que escrever 3 redações diferentes!

Como esse era o meu grande foco, não ir bem em redação estava fora de cogitação.. Se assim fosse, não conseguiria nem ir para a segunda fase!

Mal eu sabia, no entanto, que essa prática da redação, também seria essencial para minha aprovação no ENEM. No ENEM o que foi chave também, foi seguir exatamente a estrutura de texto que eles sugerem de 4 parágrafos:

1 – Pergunta ou tese;

2 – 1º Argumento;

3 – 2º Argumento (ou contra-argumento);

4 – Síntese e conclusão.

Os avaliadores prestam muita atenção nisso. Eu segui exatamente essa estrutura!

Enfim… O que podemos perceber aqui é aquele realmente aquele que investe, persiste, e se dedica… Assim como sempre tentando aprender com os erros…

Não tem como não colher os frutos lá na frente. Sempre dá resultado! 

Então são essas ai as principais dicas que deixo ai para você levar em consideração se tiver se preparando para o ENEM.

Tem algumas particularidades desse exame, como essas que mencionei, que vale a pena prestar mais atenção e que certamente que te colocarão muito mais próximo da tua aprovação.

Ótimos estudos ai para você! Abração!

  • Alessandro Rodrigues

    Olá, qual foi sua nota na prova e na redação?

    • Lucas Schust

      Olá Alessandro, segue minhas notas para você ter como referência:
      Cic. Humanas: 664
      Cic. Natureza: 740.2
      Linguagens: 676.7
      Matemática: 900.6
      Redação : 960.
      Como havia mencionado no texto, o meu grande diferencial foi na redação. O peso das notas e cálculos varia dos critérios do curso e de cada universidade. No meu caso, minha nota de aprovação final na UFCSPA foi de 788, já na UFPEL infelizmente não consegui mais encontrar esse dado.
      Espero que te ajude!
      Abraços!

      • Alessandro Rodrigues

        Estudou sozinho durante o ano? Matemática é uma matéria que agrega muita nota, também. Noto que linguagens, mesmo acertando muitas, acaba sendo uma nota baixa (fiz 37 e fui com 719)

        • Lucas Schust

          Exato porque em matemática as pessoas em média costumam ir mal (ai com poucas questões a mais pelo TRI vc se distancia da média). Em português o raciocínio é o inverso. No meu caso fiz cursinho no Objetivo em Campinas. O foco deles é USP/Unicamp. Abs

  • Maicon Souza

    Tem como eu estudar matemática e português em casa mesmo?

    • Lucas Schust

      Com certeza Maicon! Com tantos recursos e sites de ótimo qualidade hoje em dia é possível estudar 100% sozinho em todas as matérias. Somente redação sugiro ter um corretor externo já que não existe “gabarito” fixo para vc ir bem nela.. Abs

  • Francisco Emanoel

    Quantas questões você acertou em cada matéria ?

    • Lucas Schust

      Fala Francisco! Não tenho mais essa informação, fiz em 2011 e infelizmente não mostra na plataforma do ENEM…